Depoimento de Luigi Snozzi

18mar08

“O importante é sempre o conceito da natureza e a questão sobre a qual deve ser a relação entre natureza e arquitetura. Eu sigo o aforismo de um grande amigo meu, o brasileiro Paulo Mendes da Rocha que ganhou o prêmio Pritzker. Ele define a natureza de uma maneira que me agrada muito. Ele diz que a natureza representa a sujeira, é claro que as pessoas se assustam ao ouvir uma frase dessas, especialmente nos dias de hoje. Paulo segue dizendo que a natureza é também a nossa melhor amiga pois sabe que ela não passa de pura sujeira. E o que a natureza faz? Ela nos dá a tarefa de transformá-la. Mas devemos fazer isso de forma inteligente, ai ela se torna muito melhor e mais feliz. Eu gosto dessa idéia. Trabalhar com a natureza é como trabalhar contra ela, dominá-la. Essa é a regra. Não se deve nunca seguir a natureza. Mas os órgãos de preservação paisagísticos estão convencidos que toda intervenção é negativa e deve esconder essas obras. A natureza deve permanecer como sempre foi.

(…)

Eu adoro cidades que não possuem arquitetura nenhuma. Acredito que uma boa cidade não precisa necessariamente de arquitetura. Às vezes, arquitetura e cidade são termos opostos que nem sempre se harmonizam. Eu adoro a cidade de Nova Iorque, por um motivo: em Nova Iorque quase não existe arquitetura, digamos boa arquitetura. O verdadeiro problema da atualidade é definir regras para uma cidade democrática. Apesar da democracia ser a melhor forma de governo, ela traz uma deficiência incrível. Todas as formas de governo tinham noções bastante precisas de suas cidades, como na Idade Média e no Renascimento. Menos a democracia. A única sociedade incapaz de desenvolver uma idéia de suas próprias cidades, é a democracia.”

Luigi Snozzi, transcrição feita a partir de depoimento do autor para vídeo mostrado na exposição suíça da 7ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo (BIA, 2007)

 

Post enviado por Gabriel Kogan

Anúncios


One Response to “Depoimento de Luigi Snozzi”

  1. 1 Anália Amorim

    Por estas e por outras opiniões correlatas é que se permitiu que o planeta tenha chegado a uma situação de alerta.
    Que falácia acreditar que dominamos… Nem as marés, fenômenos observáveis e repetíveis nos são servis.
    A quem se quer enganar?
    Com o devido reconhecimento do valor dos arquitetos Paulo Mendes e Luigi e Snozzi, esta orientação de pensamento poderia ser muito mais eficiente, para qualquer regime de governo, se a noção de domínio fosse substituída por ações conjuntas. Seria uma maneira de termos uma forte aliada, ou para satisfazer o pensamento posto pelos arquitetos citados, uma aliada a altura.

    Anália Amorim


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: