Cidade do Tietê – Paulo Mendes da Rocha

10jan09

cidade do tietê - paulo mendes da rocha

A cidade do Tietê de Paulo Mendes da Rocha levanta algumas questões relevantes sobre a forma de tocar a paisagem, desenhá-la, torná-la habitável, sobretudo em relação à questão das infra-estruturas de transporte e de equipamentos públicos. O trabalho é uma espécie de um “protótipo não executado” de uma arquitetura do território.

O domínio do território construiu uma América colonial, voltada para a extração de riquezas. A arquitetura em questão seria uma forma de alterar, a condição colonial, amparando essas construções numa visão humanista. Os projetos territoriais de Paulo Mendes inscrevem-se numa espécie de tradição moderna brasileira (de Vilanova Artigas a Affonso Eduardo Reidy, passando pelo imaginário da construção de Brasília) de redesenhar a paisagem e seu programa.

“A cidade do Tietê foi desenhada como um grande porto fluvial que, interligando as redes rodoviárias e ferroviárias, poderia compor um sistema intermodal de transporte de cargas capaz de sustentar o desenvolvimento econômico de toda a região, estimulando, ao mesmo tempo, o fluxo pelo rio como uma via interior continental a interligar, em ampla escala, a América – da Bacia Amazônica à Bacia do Prata.

Com a construção, no Estado de São Paulo, do sistema de barragens (feitas com as eclusas para navegação), regiões que antes eram inundadas e inóspitas tornaram-se interessantes aparições de uma geografia nova, próximas a leitos de rios agora facilmente navegáveis. A região escolhida entre as cidades de Lins e Novo Horizonte, tem virtude de ficar a meio caminho entre a calha do rio Paraná e a costa, além de distanciar-se aproximadamente 400 km da cidade de São Paulo (o que é considerado uma distância econômica para transporte aéreo).

O sítio escolhido para implantar a cidade é uma extensão plana em torno a um riacho que agora avança sobre o território, uma albufeira. A represa, com 3 km de largura média, estabelece para a cidade uma dualidade com a qual o nosso imaginário já está habituado a conviver, como o canal de São Sebastião-Ilhabela.

O curso do rio, de leste a oeste, é acompanhado, a distâncias próximas a 70 km, pelas ferrovias que seguem para noroeste (na direção da Bolívia) e para sudeste (a Sorocabana), e pela rodovia SP-320. Ao interligá-las, cruzando o rio em sentido transversal, surge a cidade: porto fluvial, pólo de desenvolvimento regional. Ela se diferencia do modelo do “colar de cidades” que se estabeleceu em torno às ferrovias e às rodovias; cidades satélites dependentes e especializadas. Essa, ao contrário, passaria a adquirir uma importância regional direta para o norte do Paraná, o sul de Minas Gerais e o sul do Mato Grosso, além do próprio estado de São Paulo. Diante da primazia do porto de Santos, saturado, abrir-se-iam novas alternativas para a exportação nos portos de Angra dos Reis, São Sebastião, Paranaguá e até mesmo Montevideu-Buenos Aires.

Nos dois extremos da cidade estão locadas as instalações de porte regional: hospital, porto de passageiros, rodoviária, estação de trens, área de comércio atacadista, e um centro de estudos hidráulicos da Universidade de São Paulo. Entre elas, há uma área de comércio e habitação, com aproximadamente 6 km de extensão na área mais densa, cujo eixo é uma via mecanizada central de calha rebaixada. Ao longo da avenida é proposta a instalação de um comércio diversificado, teatros e cafés, e, nos lotes, posteriores, as habitações. A face da cidade para as águas se abre com jardins públicos e centros recreativos e esportivos. Do outro lado do rio está instalado o setor industrial, com o porto de cargas, estaleiros, armazéns, industriais e um aeroporto.”

ROCHA, Paulo Mendes Archias da in Cosac Naify. São Paulo, Brasil. P. 18 – P. 23

cidade do tietê - paulo mendes da rocha

Legenda

A. parque industrial (edifícios especiais, teatros cafés, atrações) B. parque institucional (estação rodoviária, estação ferroviária, porto fluvial, hospital regional, centro de compras, centro esportivo regional) C futura cidade

1. USP 2. Rodoviária 3 escolas médias especializadas 4 ferroviária, rodoviária, porto 5 centro esportivo e náutico popular 6 porto da cidade, parque central da cidade, teatros hotéis, espetáculos 7 comércio central 8 apoio, serviços de manutenção 9 hospital regional 10 indústrias, estaleiros 11 aeroporto 12 base naval 13 base militar 14 jardim botânico 15 abastecimento, indústria local 16 habitação.


Post enviado por Gabriel Kogan

Anúncios


One Response to “Cidade do Tietê – Paulo Mendes da Rocha”

  1. Oi, Gabriel
    1. Adorei te conhecer. E adorei teu blog. Vou ler mais e com mais calma logo logo.
    Lá no Ladybug vc acha meus outros blogs, trabalhos, etc.
    Vamos manter contato, vizinho.
    bj


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: