Anos de Escuridão

08set11

11 de Setembro. E quem escreve a história? E a quem ela pertence? Pois sim. Lembremo-nos dos fatos, sobretudo (sobretudo!), dos mais relevantes. Talvez não tenha sido 1968, França, mas sim 1973, Chile. Lembremo-nos de 11 de Setembro, de 11 de Setembro de 1973:

“(…) Atribui-se a um dos cúmplices de Hitler uma frase tristemente célebre: ‘Quando ouço falar de cultura, puxo a pistola.’

As pistolas foram puxadas no Chile no dia 11 de Setembro de 1973 e, se dispararam contra seres de carne e osso num genocídio do qual acabamos de ter novas abomináveis provas nesta Comissão, também atiraram contra aquilo que os fascistas, uma vez donos da rua, mais temem e mais odeiam: a palavra. A palavra feita livro, ou letra de canção, ou inscrição nas paredes. A palavra dos homens que se servem dela para ampliar seus limites, atingir a verdadeira liberdade, que não é somente externa porque nasce e vive dentro da mente e da sensibilidade dos homens.

Eu estive no Chile em 1970 e em 1973, no começo e antes do final do regime da Unidade Popular. Procurei, até por deformação profissional, observar o panorama da cultura, na minha segunda viagem pude verificar em plena rua, em cada banca de jornais e revistas, em cada comunidade dos arredores de Santiago, a mudança ocorrida nesses três anos. O projeto de edições populares da Editorial Quimantú começava a dar resultados mais que animadores, pelo preço de um maço de cigarros o povo do Chile tinha ao alcance da mão uma vasta série de coleções e de obras que eram acessíveis pela primeira vez aos setores mais populares do país. O que vi nas universidades, dialogando com estudantes e professores, me confirmou a certeza de que o governo de Salvador Allende e seus assessores no plano da educação e da cultura tinham visto o que em outro momento também viu de maneira exemplar o Governo Revolucionário Cubano, ao pretender não só a libertação externa e física do povo, mas uma outra libertação igualmente difícil de conseguir: a da mente, a da sensibilidade frente à beleza, a lenta e maravilhosa conquista de identidade pessoal, da autêntica capacidade de ser um indivíduo, sem o que não é possível defender e consolidar a libertação externa e a soberania popular.

Conheço perfeitamente os limites da educação e da cultura. Os verdugos cujas atrocidades comprovamos mais uma vez nesta sala também foram à escola e tiveram os mesmos professores e entraram nas mesmas salas de leitura das suas vítimas; seria hipócrita e sobretudo perigoso considerar o contrário e não sou eu quem vai se prestar a um jogo maniqueísta que me parece suicida. Mas três anos de Governo Popular no Chile não significavam uma mudança de geração, três anos de admirável luta educacional e cultural não bastavam e não bastaram para modificar comportamentos e condutas de muitos milhares de chilenos. Pessoalmente, estou convencido de que se a via socialista anunciada e buscada pelo Governo de Unidade Popular tivesse tido o tempo mínimo necessário para que seus planos culturais se traduzissem em resultados quantitativos maiores, certas formas de ressentimentos contra tudo o que é belo e puro seriam inconcebíveis. E sabendo que um Pinochet está definitivamente aquém de toda definição de cultura, também sei que seus planos e os dos seus cúmplices de fora e de dentro não contrariam com a obediência temerosa de muitos dos jovens soldados que atiraram contra seus irmãos por uma limitação mental, pela cegueira interna que faz dos homens ovelhas do medo. Exatamente frente a essa passividade e a essa ignorância que aceita todos os “planos zês” que os fazem engolir, sinto cada vez com mais clareza que a Junta entendeu perfeitamente que um dos obstáculos mais perigosos para o seu futuro residia nos resultados que o programa de conscientização política, estética e cultural da Unidade Popular havia alcançado em setores populares da população. Esses resultados ainda eram precários e insuficientes, mas a Junta não pareceu entender assim e se dedicou com a sanha que todos conhecemos ao seu desmantelamento e à sua liquidação. Esse medo profundo que todo fascista tem da educação, esse ato de puxar a pistola é em última instância o certificado irreversível do seu fracasso final. Matar um homem, exterminar um povo é fácil quando se têm as armas, os dólares, os cúmplices de dentro e de fora. O que nenhum sistema fascista pôde nem poderá é matar alguém por dentro e ao mesmo tempo deixá-lo vivo; está condenado a imperar sobre um imenso cemitério ou terminar como terminaram Hitler e Mussolini, como um dia não muito distante terminarão Pinochet, Banzer, Stroessner e toda a suja lista dos chacais da nossa história latino-americana”

Julio Cortázar. Denuncia y Testimonio. Terceira Sesión de la Comisión Internacional de Investigación de los Crimenes de la Junta Militar em Chile, Ciudad de México18-21 de febrero de 1975, Helsinki, Comissão Internacional de Investigação de Crimes da Junta Militar no Chile, 1975. In Papéis Inesperados, Civilização Brasileira, 2010.

Postado por Gabriel Kogan

Anúncios


One Response to “Anos de Escuridão”

  1. 1 CLEISSON VIDAL

    Belo achado esse testemunho. Já agradeço por trazê-lo `a luz em tempos de enorme pressão do presente e que aos poucos se esquece de rever o passado não tão passado e quem sentimos o tamanho desse buraco de difícil transposição no desenvolvimento cultural do país.
    As demandas primárias seguem sendo saúde e educação, mas não se pergunta qual tipo de educação, que modelo educaciona e se os educadores estão preparados. E antes que se discuta isso, as classes se ascendem pelo consumo (será esse o marco contemporâneo para o esquecimento da cultura? Tecnologia e comunicação instantânea geram curiosidade e pensamento ou só retroalimentam o sistema da ignorância, em sua maior parte?).


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: