Author Archive for ‘gabriel kogan’

Casa Butantã, 1964. Planta primeiro pavimento. Entre 1964 e 1970, Paulo Mendes da Rocha construiu quatro casas que questionavam a própria ideia de habitar. Casas Mendes da Rocha, Luiz Gonzaga Cruz Secco, Mario Masetti e Fernando Millan. As obras exploravam radicalmente o programa do espaço habitacional como desdobramento da cidade e da rua. O arquiteto […]


Arquitetos, ativistas e pensadores das cidades se ocupam hoje com a autoprodução dos espaços públicos como prática emergente do urbanismo; mas – vamos falar sobre economia política – como essa atuação se insere no desenvolvimento capitalista das cidades? As diferentes nomenclaturas (algumas com ares subversivos como urbanismo tático e guerrilha urbana) designam sedutoras práticas participativas […]


Quem define hoje o que é arte e quem são seus juízes contemporâneos? Temos dois principal poderosos agentes. Por um lado o próprio mercado, personificado pelos galeristas. Por outro, as instituições culturais (como museus), personificadas pelos curadores. Seria no mínimo ingênuo pensarmos a inexistência de arte a despeito dos julgamentos finais desses dois entes. A […]


Da igreja medieval aos marchands nova-iorquinos dos anos 60; dos mecenas renascentistas às feiras internacionais em Basel: a relação entre dinheiro e arte não é uma novidade. Refletir sobre a produção de valor nesse meio não significa analisar o mercado da arte em função de sua existência, mas – sobretudo – em função da sua […]


Não existem critérios para a arte contemporânea. Assim fica fácil. Não há mais críticos, críticos são curadores, curadores contratados de galerias e de instituições, instituições dependem de verbas inclusive das galerias, jornalistas são amigos de artistas, artistas (e curadores) não querem receber críticas e todo mundo tem seu rabo preso. As exposições mostram qualquer coisa, o povo […]


No jargão jornalístico, conteúdos editorados são aqueles que servem para exprimir a opinião política e pessoal dos editores. A apuração dos fatos sucumbe à construção de conceitos que representam os interesses (basicamente econômicos) da publicação. Nada de fatos, nada de investigação; apenas a opinião pré-estabelecida, o preconceito reproduzido. A Veja é um exemplo caricato disso. […]


Faço aqui uma pequena retrospectiva de dez artigos fundamentais para entendimento da atual questão hídrica em SP. 1- O problema não é de agora: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2903200101.htm 2- A manipulação dos dados: http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,pisa-na-sabesp-imp-,1621074 3- O posicionamento do terceiro setor: https://medium.com/a-conta-da-agua/ensaio-sobre-a-cegueira-hidrica-2759ec839c74 4- Direito a informação e grandes consumidores: http://apublica.org/2015/01/sabesp-se-nega-a-publicar-contratos-de-empresas-que-mais-consomem-agua/ 5- Rodízio e redução de pressão são problemas, não soluções: […]